Buena Vista

Soy loco por ti Havana

Perozzito, que hermosa surpresa. Pensei que você tivesse se suicidado depois de ler algum livro de Deleuze, Guatari e qualquer dos representantes da pingela francesa. É sempre bom saber que o amigo está vico, não digo bem pois bebendo e fumando o que você fuma, bem você nunca está.

Lello Maschetti também continua fumando como uma chaminé. Disse me o louco: ah, não tenho filho, não tenho ninguém para cuidar, se me der um câncer só vai abreviar um pouco a coisa. Pior de tudo é que com esta tranqüilidade que lhe é peculiar, o desgraçado é capaz de viver mais que eu.

Estou embarcando hoje em Havana e chego amanhã de manhã ao Brasil. No fim de semana, espero postar o restante da entrevista com Fidel, el cagado.

Chego amanhã bem cedo, de repente dá para comemorarmos juntos minha chegada e sua partida.

Fidel e Sassa acenam para a multidão na sacada do hospital.

International Congress of Philosophy

 

Amanhã embarco para a Áustria, Sassa. Mais um Congresso, desta vez interncional. Chique no úrtimo. Já que é você quem está pagando, achei que tinha o direito de saborear pelo menos o título:

Os tipos lógicos de Russell e a presentificação inefável do ser a que todo e qualquer sujeito linguajeiro tem acesso, desde que, é claro, purgue-se preliminarmente do discurso reificante que nos conduz à falsa via de acesso das pseudoproposições de essência que infestam a metafísica tradicional

Gostou, Sassa? Legalzinho, né? Prost! Hehehehe....

Ademã, que eu vou de leve...

O boêmio voltou novamente

 

Sassaroli, cá estou eu. Firme e forte, num hotel cinco estrelas de Goiânia. Quem paga? Você, é claro, meu querido. Titio Alckmin tira do seu bolso e põe no meu. Nem Robin Hood faria melhor.

Congresso de Filosofia. Consegue imaginar o que é isso? Se minha tia Wanda viesse até aqui, espichasse o ouvido para dentro da sala e ouvisse o que o sobrinho anda falando, faria o sinal da cruz. "Está variando, coitadinho."

Falei a respeito da relação entre os tipos lógicos de Russell e a presentificação inefável do ser a que todo e qualquer sujeito linguajeiro tem acesso, desde que, é claro, purgue-se preliminarmente do discurso reificante que nos conduz à falsa via de acesso das pseudoproposições de essência que infestam a metafísica tradicional. O público gostou, precisava ver. Quanto menos entendem, mais aplaudem.

Sassa em Cuba

Perozzi, tomou doril?

Eu havia dito aqui que viria ao Caribe a serviço de George Keep Walker e que Fidel e Hugo Chaves é uma porta tremeriam nas bases. Você, como sempre, desprezou minha capacidade de conspiração e constipação e nem ligou. Bem, Fidel, como amplamente divulgado, já se borrou todo. O intestino do canalha soltou e a merda em Cuba, que já não era pouca, explodiu.

Como sou o homem das mil faces, estou neste momento em Cuba como correspondente do THE NEW PRAVDA para um entrevista com o barbudinho cagado. Nem o bundão do Fernando Moraes nem o chefe do mensaleiros conseguiram acesso, já Sassa... Sassa é demais, Sassa é foda e não sai de cima.

Sem sacanagem, Fidel se soltou na entrevista e falou de tudo. Quer ler tudo? Compre o Jornal, aqui vão alguns trechos para você e nos visitantes:

Dna. Castro e Fidel (Arquivo Pessoal del Comandante)

Sassa: Pero, Comandante, como ha sido su enfancia? Como fuera su relación com mamacita e papacito?

Fidel: Caro amigo Sassarov, crejo que es mui rusto chamarlo de amigo aun que nos conocermos ha trenta minutos e dezeotcho idas minas ao baño, ja que usted me troje esta fabulosa formula intestinal soviética ramada Ricinovsky. Ni mi hermano Raul me troje cosa semejante. E vero acá nel rotulo una homenaren a mi hermano Che, esta escrito "Hay que Endurecer sin perder la Ternura". Mi coracion fica cheio, aun que intestiño esteja vacio, por saberlo que tengo hermanos de verdad al redor del mondo. Antes de todo, quiero disser que jo tuvió una enfancia feliz com mamacita, papacito e mis hermanocitos em Cubacita de los años 1920, 1930, 1940, 1950, 1960, 1970, 1980 e 1990. E, mi carissimo camarada de longa data Sassarov, voi darte uma informacion en primerissima mano, que hasta hoy era top secret de mi vida: mamacita e papacito llevaram toda la familia para visitar Disney World.

 Familia Castro na Disneilândia: Fidel é o segundo (Arquivo Pessoal del Comandante)

Sassa: Pero, Commandante, que furo fabuloso este.

Fidel: Amigo Sassarov, és um furo fabuloso, mas com o intestino suelto la fabulosidad és una mierda, literalmente. Ja que me lembrio de la mierda decho hacer una más (e el comandante assina mas un decreto presidencial de nomero 1235262820203303-38/SDRVDFBJHNZX-32)

Sassa: Más, Commandante, vamos volver a los 17. Qual fuió su impression acerca de Disney World? Que te pareció la sociedad estadunidense?

Fidel: Mi carissimo amigo de siempre Sassarov, la experiencia fuió fundamental para mi vida futura, para mi compreension de la sociedad imperialista. Yo hació una analisys de cuño marxista de esta sociedad e puedo verla como una sociedad dominada pelos ratones. Lo spirito de lo raton dominio la sociedad imperialista. Lo espirito del raton domina el mundo e quiere robarnos toda la riqueza, sobretudo los nuestros quesos.

Fidel na Diseny: a primeira experiência um americano típico não foi agradável (Arquivo Pessoal del Comandante)

Sassa: Pero, Comandante, que analisys! Que prufundidad! Em nome del pueblo soviético, yo le dó las congratulaciones!

Fidel: Oh, profundidad? Bien lembrado, tengo que dar um chegadita nel baño. Um minutito!

Fidel se alivia (Foto comprada da Enfermeira Pessoal de Fidel por 5 reais, que ela achava ser dólar)

Sassa: Comandante, nos diga que tipo de peliculas usted costumbrava ver em familia? Neo-realismo italiano? Nouvelle Vague Francesa? El nuevo e unico cinema iraniano? Expressionismo germanico? Cinema novo brasileño? Kurosawa?

Fidel: Caro hermano Sassarov, com toda sinceridad del mundo, te digo que se puedem hacer todo tipo de difamassiones contra me fabulosa, generosa e maravilosa persona, mas gay nunca fuió. E por lo tanto nunca me interessió las peliculas del mundo mix. Como macho latino americano, siempre me gustó peliculas fortes, como Massiste, Hercules, Sansan e Dalila, etcetera. Pero, e aqui te duió más una información pessoal secreta: lo que me marcó mismo fueram los seriados estadunidenses, especialmente aquel del cachorro Rintintin. Me identifiquió imediatament con la situacion de exploracion del cane pelo imperialista Cabo Rust. És novamente el espirito del raton que predominano en la sociedad imperialista.

Fidel vestido a caráter para assistir a Rintintin (Arquivo Pessoal del Comandante)

Fidel: Caro hermaníssimo Sassarov, algo estraño se pasa comigo, especificamente com mi intestiño. La impressión és que después que ha tomado la miraculosa formula Ricinovsky las cosas desandaran por acá, que te parece?

Sassa: Mi comandante, sin alarme. La formula Ricinovsky és tipicamente leninista e, como tudo que és revolicionario, como el gran Comandante bien sabe, tiene que dar un passito para traz para avanzar muchos a friente. Entonces, la revolucionaria formula Ricinovsky da una soltadita nel intestinõ para después prenderlo de vez. O seiá, endurece sin perder la ternura, como lo dis el rotulo. Por lo tanto, puede ficar tranquilo que este efeito inicial és normalito, és leninista.

Fidel: Que producto formidable. Leninista! Revolucionario! Sovietico de las mejores tradiciones. Un brinde a la revolución, a Lenin, a todo que ai de solido nel mundo!

Sassa: Pero Comandante, la indicación del doctor Bushovsky, creador de la revolicionaria formula Ricinovsky, és que el infermo solamente tome la formula Ricinovsky e ninguno otro liquido, por lo tanto, brindemos, pero yo con la santissima agua cubana e usted con Ricinovsky. Salud, Comandant. Nazdorovie!!!

Fidel: Salud, hermano Sassarov!!!

Fidel: Hermano amigo Sassarov, no le parece engrazado que justo Yo que passei la vida prendiendo e arrebientando todos los desafetos, hoy non consiga prender ni lo dejetos?

Sassa: Grande piadita, Comandante. Um brinde a ella, salud com Ricinovsky.

(amanhã tem mais)

Museo Botero

Gatinha, vai firme que você está quase lá!

Perozzi, gostei tanto do Museo Botero, que hoje voltei a visitá-lo. Depois de noites de insônia pensando naqueles corpos, naquelas mulheres, naquelas silhuetas, naquelas . . . esquece, eu confesso, só pensei naquelas bundas. Ah, meu Deus, quantas e que bundas.

Você quase acertou, para mim, as boterianas dão mais que um caldo, dão uma jarrona tupperware daquelas do tipo tamanho família Opus Dei (9 filhos fora o baile) que a gente tem que colocar deitada na geladeira e as vezes ainda trava a porta. É bunda a dar com pau, e haja pau.

No passado dizíamos que era muita areia para o meu caminhãozinho ou é muita fubeca para o meu bolso ou é muito sermão para a minha bíblia, etc. Como seria hoje? É muito bite pro meu pen drive? É muito MP3 para o meu IPod?

Um abraço.

A Vingadora Boteriana, protetora das massas oprimidas.Com molho vermelho, é claro.

Escultura Escultural Boteriana apaixona-se por Prof. Sassarolli e sai pelas ruas de Bogotá à sua procura.

O corajoso Fidalgo Sassa se entrega e declara: o.....a.....mor..... é...... lin.....du..... e.... pe..sa..du.

Voltei para rever os amigos...

Perozzi, pensou que eu tinha sido sequestrado pelas FARCs? De jeito maneira! Quinta-feira passada peguei meu bolsa família (salvação da pátria en sus conceitos) e fui para Cartagena. Fiquei num antigo mosteiro, que virou um belo hotel. Em essência, nada mudou ali, continam salvando almas.

Meu amigo, Cartagena é um desbunde. Como você sabe, odeio sol, praia e calor. Se tomar sol fosse bom, os lagartos humanos da praia ficariam verdes e não vermelhos. Cartagena tem aquele clima caribenho, quente pra cacete na minha classificação, mas a cidade é linda. Só visitei a parte que fica dentro da muralha da cidade, fora é como ir a uma Peruíbe que fala espanhol. É um barroco muito rico e mais fino que o nosso. Igrejas belíssimas e um casario de encher os olhos. O povo colombiano, como já disse, é uma jóia.

Nos restaurantes, peguei pesado, Casuela de Mariscos e tudo o mais que tinha direito. Um delícia de cozinha. Na volta porei umas fotos, só para você babar.

O Conde e a Condessa Mascetti chegaram na sexta-feira à noite. Foi um final de semana dos deuses. Depois disso, você acha que eu vou discutir seu voto no nine fingers? Reelejá-o que eu agradeço, afinal com os jurinhos que ele me paga, acho que dá para voltar para Cartagena no ano que vem.

Depois da incompetência mostrada em 4 anos de governo, da corrupção sem precedentes, das idiotices da política externa, das tentativas de calar a imprensa (só na ditadura um jornalista de peso perdeu o emprego por criticar o governo, como aconteceu com Boris Casoy), você vai votar no cara pelo Bolsa Família (criação do ACM) é muito pouco para mim.

Não sou contra o assistencialismo, mas isso qualquer cabeça de bagre faz, como está provado. O problema é sair daí, o problema é mais profundo. Isso a camarilha petista mostrou que não sabe nem por onde começar. Essa gente é de baixa qualidade técnica e moral, querem acabar com a jovem democracia brasileira, são stalinistas da pior qualidade. Pé na bunda deles!!! A democracia brasileira precisa dar uma lição em quem sempre conspirou contra ela. 

Em 1980, eu ajudava a formar o PT. Em 1984, vi que aquilo tudo era pura arrogância. Nos anos seguintes só piorou. Hoje, vomito para todos. É o atraso, o Brasil merece mais que um presidente do assistencialismo, nine fingers é só isso e olha lá.

Um abraço.

Cacareco

 

Enviei ao Emílio Surita, do programa Pânico na TV, uma sugestão: instruir o eleitor a respeito do modo de se anular o voto para deputado e senador nas próximas eleições. Com a urna eletrônica, esta opção democrática envolve uma operação complicada, que deveria ser mais bem explicada.

Se quiserem reforçar o pedido, aí vai o e-mail do Emílio:

emilio@corp.virgula.com.br

[ ver mensagens anteriores ]